O homem que Nunca foi às Putas que Atire a Primeira Pedra.

Há duas semanas atrás, fui festejar um aniversário com “amigos mais chegados” no seio de uma família brasonada.
Bem sei que os ajuntamentos não são permitidos, no entanto, não se deixem influenciar por esta minha veia de charmoso fora-da-lei.

Fiquem em casa. Sejam conscientes!
“Façam o que eu digo, não façam o que eu faço”.
Ao contrário do Diogo, não sou exemplo para ninguém.

Estávamos então numa bonita cavaqueira de volta da mesa quando, entre tantas outras conversas, se começou a coscuvilhar sobre o vizinho do lado andar metido com prostitutas.

“Às vezes venho das compras e apanho algumas no elevador cá para cima”

“É que ele nem esconde! Que vergonhoso!”

“Não percebo como é que há homens capazes de fazer sexo com prostitutas!”

Estas frases foram todas ditas por Mulheres. Fiquei perplexo.

Como é possivel que o sexo feminino tenha este tipo de pensamento?
Como é possível que as “Mulheres de bem” não entendam que as “Mulheres da noite” estão só a fazer o trabalho sujo que as primeiras não querem fazer?
Como é possivel que estas habitantes do planeta Vénus, mesmo sendo o sexo mais inteligente, não percebam a necessidade da prostituição? COMO?

A prostituíção é uma das maiores potências mundiais de sempre! De certeza que existe uma razão lógica para isso. 

Razão essa que vou tentar explicar e simplificar.

(Isto está a começar a parecer um discurso machista, eu sei. Mas os mais ativistas que se aguentem que ainda vai piorar antes de melhorar num twist de empoderamento às mulheres e agenda feminista. Ou então vai ser mal interpretado e estou fodido na mesma.)

O homem precisa de pinar.
E não estou a falar de pinar por prazer.

Estou a falar de pinar porque Deus mandou Adão multiplicar e povoar a Terra à força toda.
É um instinto básico e primitivo muito difícil de controlar.
Estamos programados para espalhar a semente, assim como as andorinhas estão programadas para emigrar até às Maldivas no Outono ou como os lisboetas estão programados a pensar que “Capital” significa “Único sítio com direito a cultura no país”.

É um instinto tão forte que se for contrariado pode ser muito perigoso.

É verdade que isso não é desculpa e as Mulheres não são obrigadas a abrir as pernas a todos os homens, só porque têm o “instinto primitivo” a saltar-lhes das calças.
E ainda bem, porque faz parte da educação e do civismo que assim seja.

Chega de machismo!
Viva a igualdade de direitos entre os géneros!

É também verdade que um homem quando está muito tempo sem praticar o coito começa a ter doses demasiado altas de testosterona no cérebro, o que, com o tempo, poderá levá-lo a ficar alterado e consequentemente a tomar más decisões, ser mal-educado  ou até muito violento, conforme a quantidade de leite acumulado.

Inevitavelmente o coito tem de acontecer, senão vai haver mortes.
Isto é ciência e deve ser levada a sério.
Caso contrário, um dia será tarde demais e não haverá punheta que nos acuda.

É, de facto, muito bonito termos o senhor policia Costa a limpar as ruas de tarados e homicidas, mas é bem melhor ter uma Anabela na reta de Pigeiros a prevenir que metade desses crimes aconteçam.
Às vezes basta mesmo só uma boa canzana e uma conchinha para salvar o mundo.

Estas mulheres deviam ser tratadas como rainhas por darem o corpo às balas (get it?). Mas em vez disso, são vistas como escória social e nem sequer lhes é concedida a dignidade de tirar faturas e descontar para a reforma. Abominável.

Por isso escrevo esta crónica.
Para que as pessoas no geral, mas principalmente as outras Mulheres que não são prostitutas, vejam e apoiem a prostituição como uma profissão digna.

Dêem-lhes meios para trabalhar, casas para receber clientes, segurança para não serem maltratadas no trabalho (a não ser que faça parte do menu) e elas, em troca, irão “amar” aqueles que ninguém ama.

Pensar que muitas delas fazem o que fazem porque são umas soltas vadias é o mesmo que pensar que um ginecologista seguiu essa especialização de medicina porque é tarado.
A verdade é que ambas as profissões lidam com utentes maioritariamente feios, doentes e velhos.
Pensem nisso.

Além disto tudo, sempre ouvi dizer que os antigos devem ser respeitados. E não há profissão mais antiga que a protituíção.
Pensem nisso também.

E agora termino com uma mensagem especial para os homens que estejam a ler isto:
Enquanto a prostituíção não deixar de ser vista como um tabu, lembra-te que, quando eu entro no Felina ou no Eden, tu não me viste a mim e eu não te vi a ti.
Por isso, não contas à minha mulher que eu não conto à tua.


X